X

Para acessar sua conta, use o App Bradesco Universitário

É compromisso, dívida ou inadimplência?

Você sabe a diferença entre compromisso, dívida e inadimplência? No dia a dia, é muito fácil confundir os significados, por isso, vale a pena falarmos a respeito.

Sabe as contas que você tem para pagar todo mês? O aluguel, o telefone, a luz, a mensalidade da facul, a internet? Essas obrigações mensais são o que devemos chamar de compromisso.

Manter os compromissos em dia não é difícil. Basta anotar numa planilha a data de vencimento de cada um e a estimativa de valor. A soma, claro, deve estar dentro do seu orçamento mensal.

Dívidas pagas e não pagas

A dívida e a inadimplência são mais fáceis de serem confundidas.

Tem uma dívida a pessoa que se comprometeu a pagar um valor pelo consumo já realizado de um bem ou serviço.

Por exemplo, as parcelas da compra de um produto, do pagamento de um empréstimo, o crédito rotativo do cartão de crédito (para quem pagou um valor menor que o total da fatura), o cheque pré-datado.

O crédito facilita a consumo quando não se tem todo o dinheiro para o pagamento à vista, mas é muito importante lembrar-se da regra básica ao usar o crédito: os valores das parcelas devem caber no orçamento mensal.

Também é importante, ao fazer uma dívida, não se esquecer das antigas, que ainda serão pagas.

Uma dica do educador financeiro Reinaldo Domingos para não sair da situação de endividado para inadimplente é adiantar o pagamento das dívidas e eliminá-las o quanto antes.

Assim, você evita o risco da inadimplência – que é quando você não paga a dívida – por algum descuido.

Sem medo de negociar

Quando você está inadimplente, ocorrem cobranças e você poderá ter seu nome em lista de devedores de alguns órgãos, como Serasa e SPC.

O ideal é fugir dessa situação, mas se for inevitável, o especialista recomenda:

"O inadimplente tem que fazer o mais difícil, que é negociar os valores com os credores. Mas é importante ter em mente que eles querem receber o valor e, em geral, estão dispostos a buscar um consenso. Porém, nunca se esqueça de negociar um valor que caiba no orçamento do mês", conclui.

Por: Aline Nogueira de Sá